sábado, 21 de fevereiro de 2009

Kaza Vazia – ocupações efêmeras em espaços em desconstrução

O coletivo Kaza Vazia - Galeria de Arte Itinerante vem atuando em Belo Horizonte desde dezembro de 2005. Apesar de possuir um núcleo de artistas fixos é um grupo aberto, no qual parte de seus integrantes são eventuais. O coletivo trabalha com um sistema de ocupações efêmeras, fundado em uma estrutura flexível e em constante movimento.

Para ocupar a cidade, o grupo vale de uma gestão horizontalizada, diluída entre os diferentes membros. Unidos, os indivíduos engendram um sistema de colaboração e trocas de sabedorias.

Cada membro pensa de uma maneira e possui seu "ideal de Kaza Vazia". Assim como nas ruas, dentro do coletivo converge um dissenso de idéias e opiniões. Ele é uma utopia: cada integrante deseja algo, o que provoca a divergência interna. Poderiam se desmembrar, mas o que talvez os una seja exatamente o desejo de cada um defender seu ponto de vista.

A Kaza Vazia iniciou sua trajetória detectando, documentando e arquivando espaços desocupados, e/ou vazios de Belo Horizonte. Seus primeiros integrantes passaram a fazer seus percursos mapeando a cidade em busca de imóveis privados e ociosos que poderiam ser transformados em espaço para a experimentação e a reflexão em arte, temporariamente. Desta maneira, o privado ocioso é ocupado e, logo, é incorporado ao público. Qualquer espaço privado é então potencialmente público, passível de ter seu esvaziamento pensado e de vir a ser ocupado pelos artistas andarilhos 'desocupados'.

Cada artista é seu próprio curador e decide, junto do coletivo, o que é ou não, em sua produção, digno de ser exposto e como ser exposto. Os 'kazeiros', como se chamam, fundam uma ocupação pensando a arquitetura e o espaço público como espaço de interação e convivência.

O "boato Kaza Vazia" se espalhou pela cidade entre os artistas de rua, grafiteiros e 'stikers'(coladores de adesivos), assim como os artistas vindos da Universidade. Na primeira ocupação da Kaza, foi possível encontrar em um mesmo espaço intervenções próprias das ruas se articulando com intervenções 'galerísticas'.

Em cada ocupação da Kaza há uma estratégia diferente de ocupação. 'Cada Kaza, é um caso'. A partir da escolha do local, os interessados se encontram periodicamente em discussões e análise do espaço. Definem-se aí estratégias que brotam das qualidades do lugar e o seu entorno urbano, fundando um processo de reconfiguração de um ambiente cujas propriedades já se encontram em trânsito constante. Sejam casarões abandonados, sejam vias públicas, os ambientes não existem totalmente vazios ou isentos de transformação, seja pela ação do próprio homem, ou pelas intempéries do tempo.

A Kaza Vazia é ao mesmo tempo um dispositivo de experiências de situações arquitetônicas, artísticas, sensoriais, políticas, sociais: um laboratório em movimento. Em suas ocupações, muitas vezes as obras se diluem na arquitetura e desaparecem: se torna difícil enxergá-las, ou diferenciá-las no espaço. O que é a 'obra'?

A Kaza Vazia - Galeria de Arte Itinerante carrega em sua essência o cumprimento à divergência implícito na coletividade. Se configura como uma modalidade de ação que amplifica o potencial artístico do trabalho de cada indivíduo, colocando-o sempre sob novas bases e novas possibilidades de desdobramento.

Sempre balizadas pela vivência de seus indivíduos com os problemas, soluções e as questões poéticas levantados, as ocupações da Kaza são uma forma de urbanismo, uma prática da cidade: dentro de casa.


16 comentários:

melodia sentimental disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
e disse...

eBambi
Present yourself
and meet your friends.
Join now:
http://www.ebambi.com

Fox disse...

Sorry. Look please here

Tojagal disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.

Tojagal disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.

Dumuro disse...

See here or here

Akinogal disse...

SECURITY CENTER: See Please Here

Zololkis disse...

See Please Here

Lisa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lisa disse...

Olá pessoal,

Fiquei muito interessada no trabalho de vcs! Estou com um projeto de pesquisa onde rastreio em Bh a cena contemporânea e se ela está exercendo a verdadeira proposta da arte contemporânea. Os trabalhos de vcs têm tudo a ver com minha pesquisa! Peço mais informações e possíveis contatos! Abraços e até mais...

Gu disse...

weerf

Gu disse...

ola sou artista visual aqui de SP, quero saber como faço pra entrar em contato com o paulo nazareth...nao consegui achar email dele, alguem pode me enviar o contato para meu email gustavotambor@yahoo.com.br
Paulo cade vc.
ab

Ozeda Bagaln disse...

Olá
interessante descobrir pessoas fazendo oq vc tb o faz :)
gostaria de apresentar uma intervençao de anti-arte contra a propriedade privada e se possivel ter maiores informaçoes sobre o projeto de vcs e assim podermos trocar experiencias
www.alvoradada.blogspot.com

contato: ozedabagaln@yahoo.com.br
abs libertos
Ozeda Bagaln

Betho disse...

Olá! É possível participar de alguma intervenção?

galosurreal disse...

Parabéns Pessoal!

Marcelo disse...

Olá pessoal,
Tudo bem? Recentemente foi publicado um livro sobre as intervenções urbanas e ações poéticas do Poro: http://poro.redezero.org/livro/
Dêem uma olhada nesse link acima para conhecer um pouco da publicação e, se puderem, ajudem a divulgar.
Abraços,
Marcelo


RUA LEONÍDIA LEITE, Nº 68, BAIRRO FLORESTA

Kazeiros reunidos para uma possivel ocupação, 02 de maio de 2007

Casa Desocupada - Pouso Alegre 404,Floresta - Belo Horizonte / Brasil